Diretor Científico da Fapeal explica edital de bolsas de mestrado em entrevista

IMG_8891

Estúdios do IZP

Na Rádio Difusora, o gestor contextualizou o apoio da Fundação no cenário acadêmico alagoano
O diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), João Vicente Lima, concedeu entrevista ao programa Espaço Livre, da Rádio Difusora. O momento propiciou a divulgação do edital de bolsas de mestrado lançado em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), e intensificou o diálogo de ações estratégicas dentro dos programas de pós-graduação.

“Essas bolsas se destinam aos alunos que já foram selecionados e estão matriculados em cursos de pós-graduação stricto sensu em Alagoas. Atualmente, no Estado, existem aproximadamente 37 programas neste perfil”, esclareceu o diretor.

Na ocasião, o gestor explicou como foram captados os recursos, reportando que o repasse é advindo de valores remanescentes de editais passados, em parceria com a Capes. A fomentadora decidiu encaminhar estes investimentos às 26 bolsas de mestrado disponibilizadas até o fim de 2016.

“A pós-graduação é uma experiência importantíssima no sentido de dar maturação e densidade intelectual ao aluno, e não é apenas para formar um pesquisador que irá trabalhar na universidade. Ele irá usufruir desse ganho de conhecimento acadêmico em qualquer ambiente profissional”, alegou João Vicente.

O ensejo é ampliar os investimentos e lançar um novo edital de bolsas de mestrado até o fim do ano. O modelo do programa estuda contemplar a academia com mais de 100 bolsas de mestrado, fortalecendo o nível da produção científica em Alagoas.

A perspectiva é que o Estado alcance em 6 anos até 60 programas de pós-graduação, e entre 20 a 25 doutorados estruturados. Esta projeção propõe que Alagoas recupere um tempo precioso no conceito de sociedade do conhecimento.

“Nós vivemos hoje numa sociedade do conhecimento, em que a revolução tecnológica ocorre cotidianamente. Os programas necessitam formar quantidade e qualidade de pessoas que detenham conhecimento em alta densidade, não uma formação apenas da graduação, mas um nível de envolvimento da pesquisa que demanda maior empenho e complexidade em termos de soluções”, comenta o diretor.

João Vicente detalhou como a Fapeal busca formar pessoas e direcionar investimentos em pesquisas setoriais estratégicas, contemplando também políticas públicas e, através dos projetos de inovação, transferir o conhecimento produzido pela universidades para o setor privado.

Estas estratégias estão sendo desenvolvidas pela Fapeal em consonância às diretrizes do Governo do Estado, num trabalho construído em parceria com os órgãos de administração direta e indireta por uma nova Alagoas

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *