Fapeal promove sua I Semana do Meio Ambiente até o dia 30

IMA e Cesmac são os parceiros de três dias de atividades diversas, voltadas à sensibilização para a responsabilidade ambiental

Jessé Marques. Fotos: Deriky Pereira

O que é sustentabilidade? Ao ouvir o termo, a maioria das pessoas das pessoas tem uma vaga ideia, geralmente restrita à reciclagem. No máximo, também virão à mente iniciativas de economia comunitária e tecnologias limpas.

Em termos objetivos, no entanto, o índice de sustentabilidade planetária correlaciona o IDH de um país com sua pegada ecológica. O primeiro, considera expectativa de vida, educação e renda per capita. O segundo, mede a quantidade de recursos naturais renováveis que é consumida para manter nosso estilo de vida.

Atualmente, a média global desse índice de sustentabilidade está em 2.23 hectares de natureza consumidos para sustentar cada habitante. Para não precisarmos de outro planeta até 2050, quando se projetam nove bilhões de pessoas na Terra, o ideal seria consumir apenas 1.8 hectare. De acordo com a ONG mundial WWF, responsável pelos dados, a partir do relatório Planeta Vivo, de 2012 A pegada ecológica do Brasil está em 2.9.

Isso significa que, se as pessoas do mundo inteiro consumissem como os brasileiros, seria necessário 1,6 planeta para manter este padrão pelas próximas décadas, de acordo com o crescimento populacional previsto. Para esclarecer questões como essa, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas está realizando sua I Semana do Meio Ambiente, entre 28 e 30 de maio, em atenção ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 30 de junho.

A programação dos três dias envolve a parceria do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA) e do Centro Universitário Cesmac, que trouxeram duas palestras para os colaboradores da Fundação nesta quarta.

O professor Jessé Marques, coordenador do mestrado profissional em Análise de Sistemas Ambientais do Cesmac, apresentou um conteúdo de sensibilização para a sustentabilidade, esclarecendo o impacto global que as condutas individuais acarretam no planeta inteiro, bem como os termos mais usados nas discussões públicas do tema.

“O planeta hoje trabalha no vermelho, na reserva. Parece que não falta nada, mas vai faltar”, resume o doutor em Agronomia.

Mirella Cavalcanti

O IMA trouxe um momento voltado aos Ecossistemas de Alagoas, em palestra da bióloga Mirella Cavalcanti, que conversou sobre a biodiversidade que está presente na rotina dos alagoanos, mas que muita vezes passa despercebida: corais, praias, mangue, Caatinga, floresta tropical densa. Para além do que são, a palestrante também explicou o significado de cada uma dessas constituições para o equilíbrio da vida e dos recursos naturais no Estado.

“A gente mora aqui, mas não tem noção do que é a praia, do que não se deve fazer, dos tipos vegetação que temos no resto estado. A palestra foi esclarecedora e ótima. Eu sou daqui e desconhecia muita coisa”, comenta Victor Tenório, analistas de sistemas da Fapeal.

Evento

O diretor-presidente da Fapeal, professor Fábio Guedes, abriu a ocasião abordando as questões ecológicas no viés da produção econômica,  e aproveitou para adiantar:

“Este evento é o pontapé inicial para a Reunião Anual da SBPC, em julho. Meio ambiente, sustentabilidade e tecnologia será o tema do nosso estande na exposição. A Fapeal vai trazer experiências muito interessantes para todo o tipo de público”, antecipa o gestor.

Compondo o time do Governo de Alagoas, o IMA, a agência de fomento Desenvolve, a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Imprensa Oficial Graciliano Ramos também vão trazer suas contribuições particulares ao espaço temático da Fapeal, durante o evento da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, programado para 22 a 28 de julho.

Recomendados para você...