Fapeal vai investir R$ 200 mil em pesquisa na Costa dos Corais

Alagoas foi selecionado no Programa de Pesquisa Ecológica de Longa Duração, que prevê um monitoramento de pelo menos quatro anos

DCIM100MEDIADJI_0008.JPG

Fotos de Drone: Iran Normade

Situada na costa nordestina, entre Pernambuco e Alagoas, a Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais é a maior unidade de conservação federal marinha do Brasil. A APA abrange cerca de 120 km de praias, recifes de corais e manguezais.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal) assumiu o compromisso de ser uma das financiadoras de um projeto de pesquisa inédito, o mais ambicioso e sistemático concebido para a região até hoje, por meio de uma chamada pública voltada à Pesquisa Ecológica de Longa Duração (PELD), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Coordenadoria de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (Capes) e o British Council.

Até 2020, R$ 1 milhão deve ser investido no projeto de pesquisa capitaneado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), envolvendo 52 pesquisadores e diversas instituições parceiras, federais e internacionais. O aporte do Governo de Alagoas, por meio da Fapeal, será de R$ 200 mil, em quatro anos.

Uma das participantes é a professora Ana Cláudia Malhado, docente da Ufal e doutora em Ecologia de Ecossistemas e Biogeografia pela Universidade de Oxford, na Inglaterra.

Ela explica que o objetivo macro do projeto é “suprir dados e informações que apoiem a gestão da APA Costa dos Corais”, tornando possível pensar os desafios que envolvem questões como a atividade pesqueira e ecoturismo, na busca por respostas que garantam a sustentabilidade ecológica em suas relações com a sustentabilidade socioeconômica e cultural.

Um novo caminho

O diretor executivo de CT&I da Fapeal, João Vicente Lima, explica que o PELD está em sintonia com um programa internacional para pesquisa e monitoramento de grandes patrimônios ecológicos mundo afora. “Então, o Brasil entrou nesta grande rede mundial com o comprometimento de cuidar dos seus sítios ecológicos complexos”, observa.

O gestor explica ainda que os editais lançados pelo CNPq em parceria com as FAPs são o meio de operacionalizar este grande objetivo: “A Fapeal entra como cofinanciadora e facilitadora local. Um estado com tantas riquezas naturais e ecológicas como Alagoas não poderia ficar de fora”, observa.

Ela ainda acrescenta que o grupo de pesquisa da Ufal teve que passar por um filtro duro, numa competição baseada estritamente no mérito. O projeto coordenado pelos professores Richard Ladle e Nidia Fabré concorreu com 168 propostas e obteve nota de 9.6, ficando na 18ª posição entre os 32 aprovados.

 “Agora, a gente tem a satisfação de dizer que Alagoas tem um grupo de pesquisa de alto nível nesse campo, que vai fazer ações com o incentivo da Fapeal, em um arranjo muito celebrado pelas agências federais de apoio à pesquisa. Isso realmente é uma grande novidade para nós”, comemora o professor João Vicente.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *