Oficina do PPSUS inicia seu ciclo de atividades

O 1º dia de evento foi aberto com palestras da Sesau e do Ministério da Saúde

DSC_2360 (640x424)

Juliana Khalili (Fapeal) e Fátima Lima (Sesau). Foto: Olival Santos (Ascom Sesau)

 

A Oficina de Prioridades para o Sistema Único de Saúde (SUS) teve seu cronograma iniciado nesta quarta-feira, 9, apresentando dados e delineando perspectivas a partir do panorama alagoano. Para receber os pesquisadores e compor mesa, estiveram presentes os gestores da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Fábio Guedes, Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Rosimeire Rodrigues, e Ministério da Saúde, Augusto Barbosa Júnior.

O diretor-presidente da Fapeal ressaltou o trabalho executado junto aos pesquisadores e coordenadores da Sesau. Destacou o desejo de ampliar os investimentos para o convênio, uma vez que o produto tem substancial relevância na resolução das lacunas estaduais. “O programa é um projeto exitoso, muito bem realizado pela Fapeal. Representamos uma das fundações que melhor operacionalizam estes investimentos, nos comprometendo diretamente com o Governo de Alagoas em viabilizar a pesquisa para o SUS”, afirmou Fábio Guedes.

Rosimeire Rodrigues enfatizou que a cooperação é contínua: o Ministério da Saúde e CNPq prospectam recursos e através deles, a fundação financia o desenvolvimento das linhas de pesquisa e a Secretaria de Saúde materializa os melhores resultados de forma objetiva e planejada.

 “A ideia da Oficina de Prioridades é fazer uma discussão junto à comunidade cientifica, ao controle social e aos gestores públicos, que irão indicar as prioridades em saúde em Alagoas atualmente. O diferencial é o levantamento de necessidades anterior às pesquisas feitas no programa. Já a verba é destinada a cada estado e o corpo de pesquisa define onde ela deve ser aplicada”, informou José Eloy dos Santos, doutor em Ciências da Saúde e Gestor do PPSUS no Ministério da Saúde.

Dentro dos dois dias programados para as atividades, o primeiro serviu de pontapé inicial para introduzir os levantamentos que podem balizar o próximo edital. Além disso, os pesquisadores vão compor oficinas que devem instruir os profissionais sobre a saúde pública de Alagoas.

 “Este evento é importante porque além de contribuir de maneira ímpar para as necessidades da região, também abre a possibilidade de colaborar em nível nacional. As prioridades que temos aqui, muitas vezes, são as enfrentadas pelo país inteiro. Desta forma, ao contribuir para a realidade regional, também contribuímos para o nível nacional de pesquisa”, observou Marcelo Duzzioni, doutor em Farmacologia e professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

 

Recomendados para você...

2 respostas

  1. 1 de junho de 2016

    […] prioritários para as necessidades do sistema público de saúde em Alagoas, de acordo com a avaliação prévia dos próprios acadêmicos e profissionais de saúde que atuam no estado e são quem melhor conhece os problemas a serem […]

  2. 8 de junho de 2016

    […] prioritários para as necessidades do sistema público de saúde em Alagoas, de acordo com a avaliação prévia dos próprios acadêmicos e profissionais de saúde que atuam no estado e são quem melhor conhece os problemas a serem enfrentados. São […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *