Coordenadora da Fapeal instrui gestores da Sesau sobre PPSUS

Juliana Khalili orienta os gestores que farão o acompanhamento e avaliação nas etapas qualificadoras do próximo edital

Foto: Olival Santos

Foto: Olival Santos

Na última terça (16), a coordenadora de projetos especiais e de inovação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Juliana Khalili, foi convidada para um momento instrutivo. Juliana é gestora do Programa de Pesquisa para o Sistema Único de Saúde (SUS) e apresentou uma oficina na Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), para orientar os gestores que farão o acompanhamento e avaliação nas etapas qualificadoras do próximo edital PPSUS.

A gestora explica que, nesta fase, a disseminação de informações é substancial, e sensibilizar os analistas é um caminho para o êxito do programa. O PPSUS não se restringe a financiar pesquisas em temas prioritários. Ele acarreta diminuições significativas das desigualdades regionais no campo da ciência, tecnologia e inovação no âmbito da saúde.

“O PPSUS é um programa de gestão compartilhada por instituições, e a sua fase de avaliação é complexa. A primeira das quatro etapas é realizada na Fapeal. Posteriormente, são realizadas as avaliações de professores, doutores, especialistas de outros estados. Na 3º fase, a comissão de especialistas da Sesau vai elencar a importância sóciosanitária das pesquisas que irão submetidas ao edital e há uma avaliação final do comitê gestor do PPSUS acerca das pesquisas aprovadas”, explicou Juliana Khalili.

Os gestores da Sesau receberam uma palestra com informações técnicas sobre os objetivos do programa e das etapas em que estes profissionais serão atuantes, ou seja, na avaliação inicial e nos seminários de acompanhamento durante todo o processo.

“Estes mecanismos nos informam se o curso das pesquisas deve ser alterado ou não. No fim do programa, ao longo dos 24 meses, os resultados exitosos devem ser incorporados ao serviço de saúde pública, sendo colocados no SUS do Estado”, alegou a coordenadora.

Perspectivas

O próximo edital do PPSUS será no valor de R$2 milhões. Metade deste recurso é do Governo de Alagoas, por meio da Fapeal e da Sesau, que contribuem com R$ 250 mil cada uma. O restante vem do Governo Federal.

As pesquisas são realizadas em todo o país com recursos e apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Ministério da Saúde, somados aos esforços estaduais que são implantados pelos órgãos executores da gestão compartilhada. No estado, o PPSUS é operacionalizado pela Fapeal e Sesau, configurando a atuação em Alagoas como a modelo no país.

Na dinâmica, os pesquisadores participam ativamente de encontros e seminários e, após a etapa de seleção de temas, são fornecidos pareceres técnicos de especialistas, advindos de outros estados. Quando aprovadas, as pesquisas recebem auxílio para a elaboração dos estudos; por fim, é avaliada a sua aplicabilidade na rede pública de saúde, uma vez que conta-se com o apoio da academia e das unidades de saúde das redes públicas estadual e municipal.

 

You may also like...

1 resposta

  1. 30 de maio de 2016

    […] A chamada está inserida num programa executado em âmbito nacional, que, em Alagoas, encontra-se na sua 6º edição, iniciado em 2001. O trabalho representa um plano de referência em práticas especializadas para o Sistema Único de S… […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *