Fapeal lança três novos editais em parceria com o Reino Unido

Pesquisadores de Alagoas podem colaborar com britânicos em diversas categorias

3-novos-editais

clique para acessar

O Governo Federal anunciou o corte de mais de 40% dos recursos para Ciência, Tecnologia e Inovação. Neste contexto, o Governo de Alagoas, através da sua  Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapeal), repete a oferta de recursos estaduais e internacionais, em parceria com o Conselho Britânico e o Fundo Newton, fruto de um convênio viabilizado pelo Conselho Nacional das Faps (Confap).

Os pesquisadores atuantes no Estado têm até junho de 2017 para submeterem suas propostas em três linhas de oportunidade diversas. Todas elas incluem a participação ou colaboração de pesquisadores britânicos.

No site da Fapeal, já estão disponíveis os editais, com todas as informações necessárias aos interessados, inclusive as orientações sobre como conseguir parceiros de pesquisa do Reino Unido.

Oportunidades

Institutional Links Inovação Social – A chamada vai garantir até 140 mil libras para pesquisas nas grandes áreas de Desenvolvimento Rural e Biodiversidade. 50% deste recurso será disponibilizado pelo Governo de Alagoas através da Fapeal e os outros 50% serão disponibilizados pelo British Council, com recursos do Fundo Newton.

Researcher Links –  Esta chamada disponibiliza até R$100 mil para a realização de workshops científicos que sirvam como plataformas para a colaboração entre cientistas brasileiros e britânicos, de 3 a 5 dias de duração, realizados em língua inglesa.

Os projetos podem ser interdisciplinares, incluindo artes, humanidades e ciências sociais. As áreas prioritárias são: agricultura; clima e meio ambiente; energia sustentável para todos; pesquisa em educação para o desenvolvimento; crescimento econômico; saúde; água e saneamento; comida e nutrição; mudança demográfica e migração; desenvolvimento urbano e rural; infraestrutura; desastres humanitários e emergências e redução de riscos; comunidades resilientes e conectadas; governança, sociedade e conflito.

camila-almeida

Camila Almeida

Camila Almeida, gerente de Projetos de Educação do Fundo Newton pelo Conselho Britânico, observa  que, embora as submissões devam ser feitas em inglês, um nível mediano de compreensão da língua já torna as colaborações com os britânicos possíveis, se uma real interação científica estiver acontecendo. E uma das chamadas contempla este aspecto:

Researcher Connect – Esta oportunidade é voltada às instituições de pesquisa e ensino superior em Alagoas, que poderão oferecer um curso de curso duração de comunicação científica em inglês para seus pesquisadores, em todos os estágios da carreira acadêmica e de todas as áreas do conhecimento. As aulas serão em língua inglesa e têm o objetivo de aprimorar as habilidades em comunicação científica em contextos internacionais e multiculturais.

Para o diretor-presidente da Fapeal, professor Fábio Guedes, este lançamento consolida as ações da Fapeal em cooperação internacional. “Essa parceria permite contornar a escassez de recursos financeiros ao tempo que viabiliza o intercâmbio de pesquisadores alagoanos com cientistas de outras partes do mundo, além de internacionalizar nossa produção científica”, comenta.

Recomendados para você...

3 respostas

  1. Por que só em língua inglesa? Se Europa por que não se alarga também a língua francesa? A educação na contemporaneidade em língua francesa?

  2. Tenho trabalhos apresentados na Europa em língua francesa e em língua portuguesa. Sou pesquisadora e tenho grupo de pesquisa na Uneal – NUPEC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *